em ,

Esclerose Múltipla – CID 10: G35

Ao contrário do que muitos imaginam, Esclerose Múltipla (EM) não quer dizer “demência” ou “loucura” e sim um comprometimento do cérebro e a medula (ambos compõem o Sistema Nervoso Central), que pode alterar o equilíbrio, a marcha e a visão, entre outras capacidades do ser humano. Sua causa ainda é desconhecida e incide mais freqüentemente em mulheres jovens, entre 20 e 40 anos.

Não informado

O diagnóstico é muito difícil de ser feito, uma vez que não existe exame especifico para a EM. Normalmente, além dos sintomas e sinais neurológicos, alguns exames utilizados são importantes para o diagnóstico: -Ressonância Magnética (RNM) do encéfalo: mostra áreas de desmielinização. -Coleta de Líquor (Líquido Cefalorraquidiano – LCR): mostra alterações sugestivas, principalmente de gama-globulina aumentada. Pode indicar, também, alterações nas proporções de células linfocitárias. -Potenciais Evocados (principalmente Visual, Auditivos e Sômato-Sensitivos): mostram a velocidade de resposta do organismo aos estímulos visuais, auditivos e aos de sensibilidade.

A Esclerose Múltipla costuma acometer principalmente os seguintes sistemas: – motor: hipertonia (“esticamento”), espasticidade (musculatura contraída com movimentação dificultada), fraqueza muscular ou fadiga. – visual: no inicio, visão turva e, com o passar do tempo, pode ocorrer cegueira. – locomotor: andar “como se estivesse bêbado”, ou apresentar movimentos descoordenados, dando a impressão de ser “estabanado” (ao pegar um copo de água, por exemplo, vai derrubá-la antes de beber) – táctil: pode apresentar diminuição de sensibilidade ao toque leve na pele, sensação de formigamento nas mãos e/ou nos pés e, às vezes, sensação de “choque elétrico” na coluna. – visceral: queixas de dificuldade para reter ou soltar a urina ou as fezes.

As principais formas de tratamento são: – tratamento do surto: tenta-se evitar a incapacidade (temporária ou permanente); -tratamento preventivo: tenta-se manter equilíbrio imunológico; -tratamento fisioterápico: procura-se manter a melhor condição física e respiratória.

Não informado

Sua Nota:

Deixe uma resposta

Enxaqueca – CID 10: G43

Granuloma – CID 10: L98.0